Abstract

Em meio às mudanças políticas e sociais no Brasil da segunda parte do século XX, Lygia Fagundes Telles começa a se destacar literariamente através de seus romances e coletâneas de contos com caráter intimista. Apesar de não se considerar naquela época uma escritora militante, ela era engajada socialmente e realizava sua crítica de maneira sutil utilizando-se de táticas literárias, como a presença do gênero fantástico. Ela escreve durante uma época de extrema censura e repressão, aonde o conservadorismo impera principalmente nos moldes familiares. A sociedade continha um modelo de como cada homem e mulher deveria agir para se encaixar e ser aceito. A fim de criticar o pensamento da sociedade retrógrada da qual ela fazia parte, Lygia escreve os contos fantásticos: “Venha ver o pôr do sol”, “A caçada”, e “As formigas”. Através de acontecimentos insólitos e aterrorizantes, os personagens enfrentam a realidade acerca de seu gênero e encontram as limitações impostas dos estereótipos mantidos pela sociedade conservadora. Nesses contos, Lygia encontra três possibilidades finais para quem pretende ir contra o tradicional: prisão pessoal, morte lenta ou fuga.

Degree

MA

College and Department

Spanish and Portuguese

Rights

http://lib.byu.edu/about/copyright/

Date Submitted

2018-12-04

Document Type

Thesis

Handle

http://hdl.lib.byu.edu/1877/etd10444

Keywords

Lygia Fagundes Telles, contos fantásticos, literatura contemporânea, feminismo, Brasil, sociedade patriarcal, machismo, discriminação sexual, sobrenatural, insólito

Language

Spanish

Share

COinS